Vale financiar casa própria já ou esperar juros menores da CEF?

UOL

22/09/2017

Vale financiar casa própria já ou esperar juros menores da CEF?

Você quer comprar a casa própria, mas está em dúvida se vale a pena agora ou deve esperar?A oferta de financiamento para a classe média está menor: a Caixa Econômica Federal suspendeu em julho deste ano a principal linha de crédito  para esse público, a chamada Pró-Cotista. A previsão é de que volte só a partir de janeiro de 2018, mas não há certeza.

Os juros desse financiamento ficam entre 7,85% e 8,85% ao ano. Os bancos
privados cobram até 12,25% ao ano, em outras linhas. A Pró-Cotista ainda é
oferecida pelo Banco do Brasil, mas o financiamento é mais caro do que na Caixa
(9% ao ano). 


Depois do Minha Casa Minha Vida, a Pró-Cotista tem o crédito mais barato para
comprar a casa própria. A vantagem dela para a classe média é que aceita imóveis
mais caros. Podem ser financiados imóveis usados no valor de até R$ 950 mil nos
Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal e de R$
800 mil nos demais Estados.


Se o imóvel for novo, pode custar até R$ 1,5 milhão. Não há limite de renda familiar
para acessar o crédito. O programa Minha Casa Minha Vida, destinado à baixa
renda, limita o valor do imóvel em até R$ 240 mil e a renda familiar até R$ 6.500.


Especialista aconselha a esperar

Diante desse cenário, o interessado em financiar a compra da casa própria deve
esperar 2018 ou pode contratar um financiamento agora, aproveitando a redução
das taxas pelas instituições? As opções disponíveis são vantajosas?

Para Marcelo Tapai, advogado especializado em direito imobiliário, é melhor
esperar, pois os juros da linha Pró-Cotista da Caixa (de 7,85% a 8,85% ao ano) são
inferiores às da mesma linha disponibilizada pelo Banco do Brasil (9% ao ano), que
ainda tem recursos. Nos outros financiamentos imobiliários, o juro chega a 12,25%
ao ano. 

O problema é que nem sempre o consumidor tem essa alternativa.
"Quem comprou um imóvel na planta e recebeu as chaves agora, vai ter de
financiar e se sujeitar a uma taxa maior para não ficar sem a casa. Mas se a pessoa
estava contando com uma taxa de 7,85%, e a parcela já ia ficar justa no orçamento,
talvez não tenha condição de contratar", diz. "Uma diferença de um ponto
percentual na taxa de juros pode não fazer diferença em um financiamento de curto
prazo, mas, no longo prazo, encarece muito a dívida."


Para financiar, não basta olhar a taxa de juros

Para Marcelo Prata, presidente do Canal do Crédito, apesar da promessa do banco,
não dá para ter certeza de que a Caixa vai voltar a oferecer a linha Pró-Cotista com
a mesma taxa de juros, nem mesmo que vai voltar a disponibilizá-la em janeiro.
"A Caixa tem feito esses anúncios sempre de sopetão (de forma repentina) para o
mercado; uma hora tem dinheiro, outra hora não tem mais dinheiro, então o
consumidor não deve contar com isso", diz.


Além disso, quem vai financiar um imóvel não deve olhar só para o juro cobrado
pelo banco, mas ficar atento ao CET (Custo Efetivo Total), que inclui todos os
custos a serem pagos no financiamento, como seguros e taxas.
O financiamento da casa própria embute dois seguros obrigatórios: MIP (Morte ou
Invalidez Permanente) e DFI (Danos Físicos ao Imóvel).
"O banco pode estar oferecendo uma taxa de 9% e outro, uma de 9,5%, mas há
outros custos embutidos, como seguros obrigatórios e taxas (como taxa de
avaliação do imóvel, taxa de emissão do contrato ou taxa de administração), que
podem fazer com que o custo efetivo total da dívida seja maior no banco que cobra
uma taxa de juros menor", diz.


A hora de comprar é agora, diz especialista


Mauro Calil, especialista em investimentos do banco Ourinvest, diz acreditar que a
hora para quem quer comprar imóveis é agora.
"Os estoques de imóveis estão se reduzindo, a inflação está baixa, o juro está
caindo e as pessoas estão voltando a ter ocupação. Isso significa que deve voltar a
ter mais liberação de crédito, e o preço dos imóveis pode parar de cair já no começo
do próximo ano", declara.
Fabrizio Ianelli, superintendente executivo de negócios imobiliários do Santander,
concorda com Calil.


"Chegamos ao ponto de inflexão, de mudança da tendência de queda para a volta
da procura por imóveis. Não existe problema de demanda, ainda tem gente
querendo comprar. O problema é que até há pouco ninguém tomava a atitude de
financiar porque o desemprego estava alto e a confiança do consumidor estava
baixa. Mas isso está mudando, e é por isso que o banco está investindo novamente
no setor."


Como se preparar para o financiamento?


Segundo Marcelo Prata, o ideal é juntar dinheiro suficiente para dar uma entrada
que represente em média de 40% a 50% do valor do imóvel.
Se não conseguir juntar tudo isso, uma outra saída é poupar até que o valor da
entrada seja suficiente para fazer com que o valor da prestação fique parecido com
o valor do aluguel que paga hoje. "Dessa forma, o consumidor consegue ter mais
certeza de que terá fôlego financeiro para pagar o financiamento", afirma.
Para Mauro Calil, quem tem entre 40% e 60% do valor do imóvel para dar de
entrada vai ter de passar um tempo com o orçamento justo, mas consegue ter uma
razoável segurança para financiar.


Não deve financiar de jeito nenhum, segundo ele, quem tem menos de 40% para a
entrada, empregabilidade baixa (é facilmente substituído por outra pessoa no
trabalho) ou tem um nível de endividamento acima de 20% da renda líquida (que é
o total de dinheiro que a pessoa dispõe no mês, já sem os descontos de IR, INSS e
outros).
Nesses casos, Calil aconselha não só a esperar 2018, como o tempo que for
necessário para resolver essas questões. "Resolva a vida primeiro e só depois vá
financiar."


O que os bancos oferecem


Banco do Brasil

Programa Minha Casa Minha Vida: para imóveis novos avaliados em até R$ 225
mil (juros de 5,12% ao ano mais Taxa Referencial - TR), prazo de até 30 anos
Aquisição Pessoa Física (PF) FGTS: para imóveis usados avaliados em até R$
225 mil (juros de 5,12% ao ano + TR), prazo de até 30 anos
Aquisição SFH (Sistema Financeiro da Habitação): para imóveis até R$ 950 mil
nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal;
nos demais Estados, o limite é de R$ 800 mil (usados) e R$ 1,5 milhão (novos),
sem limite de renda e juros de 9,24% a 10,44% ao ano + TR, prazo de até 35
anos
Aquisição CH (Carteira Hipotecária): para imóveis acima de R$ 950 mil nos
Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal; nos
demais Estados, o limite é de R$ 800 mil (usados) e acima de R$ 1,5 milhão
(novos), sem limite de renda e taxas de 10,15% a 11,49% ao ano + TR, prazo de
até 35 anos
Pró-Cotista: destinada a imóveis usados até R$ 950 mil nos Estados de Minas
Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal; nos demais Estados, o
limite é de R$ 800 mil (usados) e novos até R$ 1,5 milhão; juros de 9% ao ano +
TR, prazo de até 30 anos


Requisitos para acessar a linha Pró-Cotista:

1) Conta no FGTS: é preciso estar trabalhando e contribuindo para o FGTS (Fundo
de Garantia do Tempo de Serviço) há pelo menos três anos. Se a conta estiver
inativa, deve ter saldo igual ou superior a 10% do valor do imóvel
2) Valor do imóvel: se usado, pode custar, no máximo, R$ 950 mil nos Estados de
Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal; nos demais Estados, o
limite é de R$ 800 mil; se o imóvel for novo, pode custar até R$ 1,5 milhão
3) Limite de renda: não há, mas o financiamento não pode comprometer mais do
que 30% da renda familiar
4) Total financiado: até 90% do valor do imóvel
5) Prazo: até 30 anos para pagar


Bradesco
Linha SFH, destinada a imóveis novos até R$ 1,5 milhão e usados até R$ 950
mil; taxa de juros a partir de 10,5% ao ano + TR, prazo de até 30 anos
Linha Taxa de Mercado, destinada a imóveis novos acima de R$ 1,5 milhão e
usados acima de R$ 950 mil e taxa de juros a partir de 11,40% ao ano +
TR, prazo de até 30 anos
Possibilidade de taxas reduzidas a partir de 9,5% ao ano + TR dependendo do
relacionamento do cliente com o banco.


Caixa Econômica Federal

Minha Casa Minha Vida (faixa 1,5), para imóveis novos avaliados até R$ 144 mil
e renda bruta de até R$ 2.600 (juros de 5,11% ao ano +TR), prazo de até 30
anos
Minha Casa Minha Vida (faixas 2 e 3) para imóveis novos avaliados até R$ 240
mil e renda bruta até R$ 6.500 (juros de 5,64% a 8,47% ao ano + TR), prazo de
até 30 anos
Carta de Crédito FGTS, para imóveis novos e usados avaliados em até R$ 240
mil e renda até R$ 7.000 (juros de 5,64% a 8,47% ao ano ano + TR), prazo de
até 30 anos
Carta de Crédito SBPE - Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SFH)
para imóveis até R$ 950 mil (usados) e R$ 1,5 milhão (novos), sem limite de
renda e juros de 10,25% a 11% ao ano +TR, prazo de até 35 anos
Carta de Crédito SBPE (SFI - Sistema de Financeiro Imobiliário), para imóveis
acima de R$ 1,5 milhão (novos) e acima de R$ 950 mil (usados); sem limite de
renda e taxas de 11,25% a 12,25% ao ano + TR, prazo de até 35 anos
A linha Pró-Cotista, destinada a imóveis usados até R$ 950 mil e novos até R$
1,5 milhão, sem limite de renda e juros de 7,85% a 8,85% + TR, está suspensa
até janeiro de 2018.


Itaú
Linha SFH, destinada a imóveis novos até R$ 1,5 milhão e usados até R$ 950
mil; taxa de juros a partir de 10,1% ao ano + TR, prazo de até 30 anos
Linha SFI, destinada a imóveis novos acima de R$ 1,5 milhão e usados acima de
R$ 950 mil e taxa de juros a partir de 10,7% ao ano + TR, prazo de até 30 anos
Possibilidade de taxas reduzidas a partir de 9,9% ao ano mais TR no SFI e a
partir de 9,3% ao ano + TR no SFH, dependendo do relacionamento do cliente
com o banco.


Santander
Linha SFH, destinada a imóveis novos até R$ 1,5 milhão e usados até R$ 950
mil; taxa de juros a partir de 9,49% ao ano + TR, prazo de até 35 anos
Linha Carteira Hipotecária, destinada a imóveis novos acima de R$ 1,5 milhão e
usados acima de R$ 950 mil e taxa de juros a partir de 9,99% ao ano + TR, prazo
de até 35 anos.

 

Por Sophia Camargo

 

Seu navegador não conta com um plugin para executar arquivos em PDF. Por favor, clique aqui para baixar o mesmo arquivo em sua máquina.

Voltar para todas notícias

Notícias Relacionadas